domingo, 25 de outubro de 2009

CAFÉ EXPRESSO - VERDADEIRA PAIXÃO

(Foto:Assessoria de Comunicação do Incaper
© 2009 Governo do Estado do Espirito Santo - Todos os direitos reservados)


Sempre fui apaixonada por café, criada em fazenda cafeeira no interior de São Paulo, aprendi a tomar café puro, sem açúcar ou adoçantes. O café era torrado no quintal de casa, moído na hora, enfim, o verdadeiro sabor do café. Quando conheci o café expresso foi paixão a primeira vista, nunca mais me acostumei com cafés ralos, doces ou aguados. Um café forte, encorpado e aromático tem o seu valor, a qualquer hora do dia ou da noite.
Na escola aprendi que o café veio no bolso do sargento-mor Francisco de Mello Palheta, pirateado lá da Guiana Francesa (abençoado Chico Palheta). Na verdade a história é um pouco mais complexa e tem ares aventurescos.
Conta-se que em 1727, o Governador do Maranhão e Grão-Pará, João Maia da Gama, encomendou ao Sargento-mor Francisco de Mello Palheta a missão oficial de ir à Guiana Francesa para resolver problemas com a violação de fronteiras, fixadas pelo tratado de Utrecht em 1713.
Paralelamente a esta missão oficial, foi pedido um “favorzinho” secreto ao Sargento: Que ele trouxesse algumas sementes de café, que segundo informações, eram de grande valor comercial.
(fonte:http://loucoporcafe.com)

Pintura a óleo do artista Henrique Cavalleiro, datada de 1943, retratando o sargento-mor Palheta, recém-chegado da Guiana, plantando as primeiras mudas de café em solo brasileiro.

Mas contam as más linguas que houve algo bem mais picante.
Palheta conseguiu, graças à sua habilidade diplomática, algumas mudas e sementes de café presenteadas por Mme. d’Orvilliers, esposa do governador da Guiana. De volta ao Brasil, Palheta as plantaria no Pará, dando início a história de um dos mais importantes produtos de exportação e um dos principais hábitos brasileiros: beber e servir um cafezinho.
(fonte:http://www.palhetacafeteria.com.br)


A pouco tempo realizei o meu maior sonho de consumo, uma cafeteira de Café Expresso. Não é a melhor e mais cara do mercado, mas é de boa qualidade, preço acessível e fácil manuseio, mas existem problemas que eu não esperava.
Primeiro, encontrar um moedor, até agora não consegui adquirir um, preciso me sujeitar a pós embalados. Ai surge o segundo problema, no mercado regional só encontro duas marcas gourmet, especiais para café expresso e que não são satisfatórias. O terceiro e mais complicado, aprender a tirar um bom café expresso. De antemão já aviso, não é fácil e ainda estou aprendendo.
Ser um barista tem seus segredos como explica Sílvia Guimarães em matéria da Revista Época.
Quem aprecia um bom expresso sabe que sua cremosidade faz toda a diferença. Para obtê-la é preciso ter um pó de boa qualidade. E fresco. Torrou, tem de preparar rapidamente. (...)
Sílvia, a mais premiada barista do país, finalista em compeonatos mundias, professora da UniOctávio (Universidade do café de São Paulo) afirma que um bom expresso depende de 4 emes: a máquina, o moinho, a mistura (miscela em italiano) e a mão.
A máquina precisa garantir a pressão e a temperatura da água, que deve passar pelo pó a 90ºC. O moinho precisa estar regulado para o expresso, nem tão fino como o usado para café turco, nem grosso demais. Numa graduação de um a dez, sendo um o mais fino e dez o mais grosso, o ponto do expresso seria em torno do três. A mistura (ou blend) é feita normalmente por provadores profissionais contratados pelas cafeeiras para combinar diferentes qualidades a fim de obter as melhores características de aroma e sabor no blend final. E por fim, o bom café depende da "mão" de quem o prepara. Os principais atributos que determinam a qualidade da bebida são o aspecto, o aroma, o corpo, a acidez e a doçura. "Quanto mais doce melhor", afirma Sílvia. São defeitos a adstringência excessiva (ou seja, o café que deixa a boca seca) e a acidez que lembre o vinagre.

(Foto:getty imagens/Época)

A xícara perfeita. O santo graal dos baristas. Cinco passos para extrair em casa o melhor café expresso:

!º- Moer os grãos de café na hora. (Nessa eu passo!)Mas conseguir um pó ou capsulas de boa qualidade já é um passo a frente.

2º- Colocar entre 7 e 9 gr no porta-filtro.


3º- Compactar o pó com uma força de 20 Kg (uma dica é virar o porta-filtro após pressioná-lo; o pó não pode cair e nem se soltar)

4º- Uma xícara padrão brasileiro tem 50 ml. Ela deve ser enchida em cerca de 25 segundos. se for muito mais rápido, o café fica ralo. Se for mais devagar o café fica com gosto de queimado. A minha é um pouco maior, é que sou gulosa...

5º- A cremosidade será ideal se a espuma tiver 3 ml de espessura, com a cor caramelo salpicada de pintas escuras, como uma onça. Esta foto é a cor perfeita, segundo a revista Época.
(foto:Llana besler/época)

A minha ficou assim e já foi um dos melhores resultados que consegui, um dia chego lá...


Fontes de pesquisa:
http://www.portaldoagronegocio.com.br
http://www.unisantos.br
http://loucoporcafe.com
http://www.palhetacafeteria.com.br
Assessoria de Comunicação do Incaper portal do Governo do Estado do Espirito Santo
Revista Época - 28/setembro/2009 - nº 593 - Matéria Vida Útil/Café barista caseiro -
Edição: Rodrigo Turrer (vidautil@edglobo.com.br

4 comentários:

*-._.-* Anita *-._.-* disse...

Café aqui tbem é o forte da casa! :)

bjssssssssssssss

Vicentina disse...

Oá Marcia
Encontrei seu blog por acaso passeando pela net, gostei muito vou visitá-lo sempre e por na minha lista.
Tbm adoro café.
Bjs

Tânia disse...

Hummm...este post me deu vontade de tomar um cafezinho....já....
Beijão querida....

NANCY FRANCO disse...

Hummmm cheiro delicioso!!! Beijos Abelhinha.

Related Posts with Thumbnails